Como abordar um cliente sem ser invasivo? Veja como o Marketing pode dar suporte a Vendas.

 

“Na realidade, a venda e o marketing são antíteses e não sinônimos ou complementações. Haverá sempre, temos que admitir, a necessidade para alguma venda. Porém, o objetivo do marketing é tornar a venda supérflua, é saber e compreender tão bem o Cliente que o produto ou serviço o sirva e se venda por si mesmo.

Do ponto de vista ideal, o marketing deve resultar num Cliente que está pronto para comprar. Tudo o que precisa, então, é tornar o produto ou serviço disponível, isto é, logística em vez de perícia em vendas e técnicas estatísticas em vez de promoção”.

 

Iniciando com este pensamento de Peter Drucker vamos desenvolver um tema com o qual inúmeras organizações financeiras vêm se debatendo: como os gerentes de conta devem abordar os Clientes sem incomodá-los?

Uma vez que o casamento das necessidades dos Clientes com os nossos produtos ou serviços dificilmente será perfeito, sempre haverá necessidade para alguma venda. No mínimo, teremos uma discussão sobre o justo valor da relação de troca.

Dessa forma, muitas vezes temos que explicar aos Clientes como atenderemos determinada necessidade ou até mesmo criarmos nele a percepção desta necessidade.

Por isso, a área de Vendas nunca deixará de existir, mas passará por profundas mudanças, pois com o avanço da tecnologia, manter as informações dos Clientes em bancos de dados tornou-se acessível e barato.

Posto que guardamos neste banco de dados as informações de transações, preferências, atitudes e comportamentos, podemos trabalhar os conceitos fundamentais da Pertinência.

Com isso evitamos sermos chamados de chatos, apesar de isto só acontecer quando a abordagem realizada é fora de propósito.

Assim, o objetivo principal do Marketing no sentido de suporte a Vendas é criar conexões com o seu Cliente para otimizar as chances de fechar um negócio.

Como abordar um cliente – Princípio da Pertinência

 

O produto certo

A princípio, vamos tomar um casal de recém-casados como exemplo; eles estarão provavelmente endividados construindo e mobiliando sua casa.

Nesse ínterim, suas necessidades estão mais próximas de crédito do que de aplicação em investimentos. Por isso, não adiantará muito oferecermos um investimento, pois o casal está “tomador” de financiamento para seu início de vida em comum.

No sentido inverso, um casal de meia idade, que já tenha filhos grandes, tenderá muito mais a fazer investimentos do que a tomar empréstimos.

Ou seja, precisamos ter todas as informações disponíveis para transformá-las em conhecimento e oferecer o produto certo.

 

No momento certo

A melhor maneira de acertar o momento é com um acompanhamento contínuo do Cliente.

Quando recebemos as nossas metas de vendas, é importante varrermos a nossa carteira de Clientes em busca daqueles que estão próximos ao momento certo de comprar.

Nesse sentido, utilizamos as informações armazenadas para manter uma regularidade de contato com toda a carteira, mesmo com os Clientes menos importantes.

Pode ser que um deles esteja pronto para comprar e nessa hora temos que estar presentes.

Com a oferta certa

Para a oferta certa contam fatores tais como: a competição e a situação econômica. Então definimos preço, prazo, descontos, brindes e casamento com outros produtos.

Além disso, podemos registrar as percepções dos Clientes sobre os concorrentes para monitorá-los.

Como abordar um cliente? Com um bom relacionamento!

Ao instruir a equipe de vendas de como abordar um cliente sem ser chato, lembre-se dos princípios da Pertinência (o produto certo, no momento certo com a oferta certa).

Por isso, ao invés de ressaltar todas os serviços e soluções da sua empresa ao consumidor, lembre-se que ele precisa ser escutado sobre a sua necessidade.

Desse modo, o Cliente se sentirá mais seguro, disposto a conversar sobre as respostas encontradas pela sua equipe e jamais estaremos sendo chatos, mas sim bem-vindos.

Até a próxima!

David Lederman é presidente da Lederman Consulting & Education e organizador dos Workshops Oficiais do Disney Institute no Brasil. Fundador da Escola Nacional de Qualidade de Serviços (ENQS), Professor na Fundação Vanzolini no Curso de Especialização em Administração de Serviços – CEAS e Professor no MBA em Administração, Finanças e Geração de Valor na disciplina “Excelência em Serviços e Fidelização de Clientes” da PUCRS.

Para saber mais sobre Qualidade de Serviços Disney e Inovação e Criatividade Empresarial Pixar, veja nossos cursos presenciais no Brasil e em Orlando: Clique aqui.

Para saber mais sobre a metodologia de como transformar sua empresa num negócio “age friendly” (amigável ao idoso) entre em contato conosco: faleconosco@ledermanconsulting.com.br

Aplicando na Prática o Jeito Disney de Encantar Clientes: agora online. Consulte a data na agenda.

Lições de Criatividade Estilo Disney/Pixar: agora online. Consulte a data na agenda.

 

Você também poderá gostar desses artigos:

9 fatores para ter sucesso em vendas

Consultoria em vendas: Roteiro de elaboração de campanha de incentivo

Você realmente sabe qual é o impacto de clientes perdidos para sua empresa?

 

 

banner-horizontal